Hook, Fork e Commit

Se alguém chegou faz pouco tempo na área de desenvolvimento de sites WordPress muito provavelmente vai ouvir falar dessas palavras. Querendo esclarecer um pouco para todos e para mim mesmo… fui atrás. A compreensão dos termos em alguns casos é simples e em outros não.

Fork

Imagine que durante o desenvolvimento de um software ou aplicativo uma parte de sua equipe resolva seguir para outro lado, fazer uma bifurcação do caminho, isso seria uma Fork.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bifurca%C3%A7%C3%A3o

O wordpress em sí não possui muitos forks conhecidos, mas ele em sí é/foi um fork, do b2/cafelog. Entendem a importância disso agora?

O b2 só existe hoje em forma de um blog lápide e em versão comercial pero no mucho b2evolution. Essa ferramenta ecoa até hoje ao meu ver no tema p2.

Hook

Isso aqui já é completamente diferente, é uma pouco mais complicado. Um hook, é um gancho em um código, ou seja, uma entrada para vc modificar naquele ponto do software alguma coisa, o WordPress é impressionantemente flexível porque já acumula 1.648 hooks:

Têm um cara que mantém uma base de dados de todos os Hooks do WordPress. Na documentação oficial você vai encontrar as informações principais, aqui: http://codex.wordpress.org/Plugin_API/Hooks . O Yoast falou muito bem disso também (em inglês).

Commit

No contexto de ciência da computação e do gerenciamento de dados commit refere-se à ideia de fazer permanentes mudanças experimentais. No contexto do controle de versão, mais especificamente do Git*, refere-se a submeter as últimas alterações do código fonte ao repositório e fazer com que estas alterações se tornem parte da versão principal (head) do repositório.

Commit já é praticamente um verbo, em breve estará no aurélio o verbo “commitar”, o ato de enviar uma pequena melhoria no desenvolvimento de alguma coisa.

*Git é um software livre de controle de versão, disponível em seu próprio site: http://git-scm.com/. Existe no próprio site um extensa documentação sobre o uso da ferramenta, mas em breve faremos um post sobre os primeiros passos no Git.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *